segunda-feira, 27 de maio de 2013

Moisés e Akhenaton uma mesma pessoa

A Bíblia e o Alcorão falam de Moisés ter nascido no Egito, educado na real faraônico palácio, e levando os israelitas em seu Êxodo para Canaã. Em termos históricos, quando Moisés viver, e quem foi o faraó da opressão? Agora que os arqueólogos foram capazes de desvendar os mistérios da história antiga, precisamos encontrar respostas a estas perguntas. Egípcio nascido Ahmed Osman, acredita que ele tenha sido capaz de encontrar as respostas para estas perguntas que perplexos os estudiosos por séculos. Ele afirma que Moisés da Bíblia não é outro senão o rei Akhenaton que governou o Egito por 17 anos no BC meados do século 14.
 Durante seu reinado, o faraó Akhenaton foi capaz de abolir o panteão complexo da antiga religião egípcia e substituí-lo com um único deus, Aton, que não tinha imagem ou forma. Aproveitando as semelhanças entre a visão religiosa de Akhenaton e os ensinamentos de Moisés, Sigmund Freud foi o primeiro a argumentar que Moisés era na verdade um egípcio . Agora Ahmed Osman, usando recentes descobertas arqueológicas e documentos históricos, sustenta que Akhenaton e Moisés eram uma e a mesma pessoa.
Em uma releitura impressionante da história do Êxodo, detalhes Osman os eventos de Moisés / vida de Akhenaton é: como ele foi criado por parentes israelitas, governou o Egito por dezessete anos, irritou muitos de seus súditos, substituindo o tradicional panteão egípcio com o culto de Aton, e foi forçado a abdicar do trono. Recuando para o exílio no Sinai com os seus apoiantes egípcios e israelitas, morreu fora da vista de seus seguidores, supostamente nas mãos de Seti I, após uma tentativa frustrada de recuperar o seu trono.
Osman revela os componentes egípcios no monoteísmo pregado por Moisés, bem como seu uso real egípcia e de expressão religiosa egípcia. Ele mostra que mesmo os Dez Mandamentos revelam a influência direta do Feitiço 125 do Livro Egípcio dos Mortos. Livro de Osman, Moisés e Akhenaton oferece um desafio radical para as crenças de longa data sobre a origem da religião semita e do quebra cabeça do desvio de Akhenaton da tradição egípcia antiga. Na verdade, se as afirmações de Osman estiverem certas, muitas das principais figuras do Antigo Testamento seria de origem egípcia. 

O primeiro monoteista

Akhenaton é a mais misteriosa e mais interessante de todos os antigos faraós egípcios. Ele criou uma revolução na filosofia, religião e arte, que resultou na introdução da primeira forma de adoração monoteísta conhecido na história. Sigmund Freud , pai da psicanálise, foi o primeiro a sugerir uma conexão entre Moisés e Akhenaton. No seu último livro Moisés e o Monoteísmo, publicado em 1939, Freud argumentou que Moisés bíblico era um oficial na corte de Akhenaton, e um adepto da religião de Aton. Após a morte de Akhenaton, a teoria de Freud vai, Moisés selecionou a tribo israelita que vivem a leste do Delta do Nilo para ser seu povo eleito, levava-os para fora do Egito na época do Êxodo, e passou-se a eles os princípios da religião de Akhenaton. 
Quando os arqueólogos modernos deparei com a figura estranhamente atraídos de Akhenaton nas ruínas de Tell el-Amarna, no meio do século 19, eles não tinham certeza do que fazer com ele. Alguns pensaram que ele era uma mulher disfarçada como um rei. Nos primeiros anos do século 20, quando a cidade de Amarna foram escavados e mais se sabe sobre ele e sua família, Akhenaton tornou-se um foco de interesse para os egiptólogos, que o viram como um visionário humanitária, bem como o primeiro monoteísta. 
Na minha tentativa de buscar a teoria de Freud através da análise dos recentes achados arqueológicos, cheguei à conclusão de que Moisés foi Akhenaton mesmo. O filho de Amenhotep III e da rainha Tiy, filha de seu Yuya ministro quem eu tinha identificado como José, o patriarca, ele tinha um pai egípcio e mãe israelita. Yuya, a quem identificou como patriarca Joseph da Bíblia, foi nomeado por Tutmósis IV para ser o Mestre dos Cavalos do Rei e adjuntos do Chariotry Real. Na chegada ao trono, Amenhotep III se casou com sua irmã Sitamun, que era apenas uma criança de três anos na época, de acordo com costumes egípcios. No entanto, no seu Ano 2 Amenhotep decidiu se casar com Tiye, a garota a quem ele amava e fez dela, ao invés de Sitamun, a sua Grande Esposa Real (rainha). Como presente de casamento, Amenhotep apresentado Tiye com a fortaleza de fronteira Zarw (na área de Kantara moderno no norte do Sinai), a capital da Terra de Goshen, mencionado na Bíblia como a área onde habitam os israelitas no Egito, onde ele construiu um palácio de verão para ela. De acordo com a egípcia, costumes que o rei pudesse se casar com quantas mulheres ele deseja, no entanto, a rainha cujos filhos irão segui-lo no trono, deve ser sua irmã a herdeira. Para comemorar seu casamento com Tiye, o rei emitiu um escravelho grande e enviou cópias do mesmo aos reis e príncipes estrangeiros. 

O nascimento de Moisés 

Akhenaton nasceu no ano 12 de seu pai Amenhotep III, 1394 aC, no palácio real de verão na cidade fronteiriça de Zarw no norte do Sinai. Zarw, moderno Kantara Oriente, era o centro da terra de Gósen, onde moravam os israelitas, e no mesmo local onde nasceu Moisés. Ao contrário do relato bíblico, Moisés nasceu no interior do palácio real. Sua mãe, a rainha Tiy teve um filho mais velho, Tutmés, que morreu pouco tempo antes do nascimento de Akhenaton. Tutmés foi educado e treinado na residência real em Memphis, antes que ele desapareceu misteriosamente, acredita ter sido sequestrado e assassinado pelos sacerdotes de Amon. Temendo por sua segurança, sua mãe Tiye mandou por água à guarda da família de seu pai israelita fora dos muros da Zarw, que foi a origem da história baby-inthe- juncos. 
A razão para a hostilidade dos padres para o jovem príncipe era o fato de que Tiye, sua mãe, não era a herdeira legítima do trono. Ela não poderia, portanto, ser aceito como uma consorte do deus Amun estado. Se o filho Tiye subiu ao trono, este seria considerado como formando uma nova dinastia de reis não Amunite sobre o Egito. Durante seus primeiros anos, sua mãe guardava Akhenaton longe de residências, tanto real em Mênfis e Tebas. Passou a infância na cidade fronteiriça de Zarw, cuidou pela esposa do general da rainha irmão mais novo Aye. Mais tarde, Akhenaton foi transferido para Heliópolis, ao norte de Cairo, para receber sua educação sob a supervisão de ANEN o sacerdote de Rá, que era o irmão mais velho da rainha Tiy.
Jovem Akhenaton apareceu nas Tebas das capitais, pela primeira vez, quando ele atingiu a idade de dezesseis anos. Lá, ele encontrou-se com Nefertiti, sua filha meia-irmã de Sitamun, pela primeira vez e se apaixonou por ela. Tiye, sua mãe, incentivado essa relação de perceber que seu casamento com a rainha Nefertiti, a herdeira, é a única maneira que ele pode ganhar o direito de seguir seu pai no trono. 

Akhenaton Co-regente

Após seu casamento com Nerfertiti, Amenhotep decidiu fazer Akhenaton seu co-regente, o que irritou os sacerdotes de Amon. O conflito entre Amhenhotep e os sacerdotes tinham começado dezesseis anos antes, como resultado de seu casamento com Tiy, filha de Yuya e Tuya. Em sua ascensão ao trono como co-regente, Akhenaton tomou o nome de Amenhotep IV. Em Tebas, durante os primeiros anos de sua co-regência, Nefertiti estava ativo no apoio a seu marido e mais proeminente do que Akhenaton em ocasiões oficiais, bem como sobre todos os monumentos. No entanto, o clima de hostilidade que cercou Akhenaton na época de seu nascimento à tona novamente depois de sua nomeação como co-regente. O sacerdócio Amon se opuseram a esta nomeação, e desafiou abertamente decisão Amenhotep III. 
Quando os sacerdotes de Amon opôs à sua nomeação, Akhenaton reagiu através da construção de templos para o seu novo Deus, Aton. Ele construiu três templos para Aton uma no final de trás do complexo de Karnak e outro em Luxor perto da margem do Nilo, e o terceiro em Memphis. Akhenaton esnobou os sacerdotes Amon por não convidá-los a qualquer das festividades na parte inicial de sua coregência e, em seu quarto ano, quando ele comemorou o jubileu seu festival, ele proibiu todas as divindades, mas o seu próprio deus da ocasião. Doze meses depois, ele fez uma pausa ainda mais com a tradição, alterando seu nome para Akhenaton em homenagem a sua nova divindade. Para o estabelecimento ressentido egípcio, Aton era visto como um rival que poderia substituir o Estado poderoso deus Amon e não estão sob seu domínio. No clima tenso que prevaleceu, Tiye arranjou um compromisso por convencer seu filho a deixar Tebas e estabelecer uma nova capital em Amarna, no Médio Egito, na margem leste do Nilo, cerca de 200 milhas ao norte de Tebas. 

Uma nova cidade para Aton 

A situação se acalmou, após a saída de Akhenaton, enquanto Amenhotep governou sozinho em Tebas. Para a construção de sua nova cidade em Amarna Akhenaton escolheu uma terra que não pertencia a nenhum deus ou deusa. O prédio começou em seu 4 º ano e terminou no ano 8, no entanto ele e sua família se mudou de Tebas para Amarna, no 6 º ano. Uma bela cidade que era. Neste ponto, os penhascos do deserto recuar do rio, deixando uma grande semi-círculo de cerca de oito quilômetros de extensão e três quilómetros de largura. A inclinação areia limpa amarelo suavemente até ao rio. Aqui Akhenaton construiu sua nova capital, Akhetaton, o Horizonte de Aton, onde ele e seus seguidores poderiam ser livres para adorar o seu Deus. Estelas fronteira enorme, marcando os limites da cidade e registrar a história de sua fundação, foram esculpidas nas falésias. Akhenaton era uma cidade capital possuído de dignidade e harmonia arquitetônica. Suas principais ruas corria paralela ao Nilo com o mais importante deles, Caminho do Rei, ligando edifícios mais proeminentes da cidade, incluindo a Casa do Rei, onde Akhenaton e sua família viveram a sua vida familiar privada. Para o sul da casa era Templo privada do rei a Aton. O Grande Templo de Aton, um enorme edifício construído sobre um eixo leste-oeste, estava menos de um quarto de uma milha ao norte ao longo do caminho do rei. Foi introduzido através de um pilão da rodovia e uma segunda entrada dava acesso a uma sala chamada a Casa da Alegrai-vos de Aton. A casa do sumo sacerdote Pa-Nehesy estava fora canto do recinto do sudeste. Akhenaton deu túmulos, arrancados da face das falésias que rodeiam a sua cidade, para os funcionários que haviam se uniram a ele. Nos relevos que os nobres esculpidas para si nestes túmulos - mostrando Akhenaton com sua rainha e da família dispensa honras e benesses, adorando no templo, dirigindo no seu carro de jantar e beber - Nefertiti é descrito como tendo a estatura de igualdade com o rei e seus nomes são colocados em uma cartela.
Aton era representado por um disco no topo de cenas reais, estendeu seus raios em direção ao rei e rainha, e no final raios em suas mãos, segurando o Ankh, o símbolo da cruz egípcia da vida eterna, para o nariz do rei e da rainha, um privilégio que só eles desfrutam. Akhenaton concebido de uma inteligência única controladora, atrás e acima de todos os seres, incluindo os deuses. O rei e a rainha eram as figuras mais importantes do culto de Aton, cujas festas celebravam com as pessoas locais, com música, cantando, oferta de frutas e flores, e os rituais ao ar livre. 

Golpe Militar 

Após a morte de seu pai, Amenhotep III, ele organizou uma grande festa em Amarna, no seu 12 º ano, por príncipes estrangeiros que carregam tributo porque o seu pressuposto de única regra. Akhenaton e Nefertiti apareceu na janela da aparência para receber a homenagem das missões estrangeiras provenientes da Síria, Palestina, Núbia e das ilhas do Mediterrâneo, que lhe ofereceu seus presentes. Uma unidade militar de shasu dos beduínos do Sinai, guardado o cortejo real. Foi então que o rei decidiu abolir a adoração de todos os deuses do Egito, exceto Aton. 
Akhenaton deu ordens às suas tropas instruindo-os a fechar todos os templos, confiscar suas propriedades, e demitir os padres, deixando apenas Aton templos em todo o país. Unidades foram despachados para consumo os nomes dos deuses antigos, onde quer que foram encontrados escritos ou gravados, um curso que só pode ter criado montagem nova oposição à sua autoridade já rejeitou. Esta perseguição, o que implicou o fechamento dos templos, confiscando sua propriedade, o envio de artesãos que entraram em todos os lugares para cortar os nomes das divindades de inscrições, o banimento do clero, a excomunhão do nome de Amon, foi supervisionada pelo exército . Cada vez que uma equipe de operários entrou em um templo ou túmulo para destruir o nome de Amon, foi apoiado por um pelotão de soldados que vieram para ver que o decreto real foi realizada sem oposição.
A guarnição militar de Amarna tinha destacamentos de beduínos do Sinai e auxiliares estrangeiros, além de unidades egípcias. A lealdade do exército de Akhenaton foi assegurada pela pessoa do seu comandante Aye, o irmão da mãe do rei, que ocupou cargos entre as mais altas na infantaria e chariotry, funções exercidas pelo Yuya seu pai. 
A perseguição aos antigos deuses, no entanto, provou ser odioso para a maioria dos egípcios, incluindo os membros do exército. Em última análise, a dureza da perseguição tinham uma certa reação sobre os soldados que, eles próprios, tinham sido levantadas nas crenças antigas, e ao invés de arriscar a deserção de um atacado e talvez até mesmo uma guerra civil. Afinal, os oficiais e soldados se acreditava nos mesmos deuses cujas imagens o rei ordenou-lhes destruir, eles adoravam nos templos próprios que foram ordenados a fechar. Surgiu um conflito entre o rei e seu exército. Crença de Akhenaton em um Deus, porém, era demasiado profundo para ele permitir que qualquer compromisso com os sacerdotes. Horemheb, Pa-Ramsés e Seti, planejou um golpe militar contra o rei, e ordenou as suas tropas do norte e do sul para avançar no sentido de Amarna. Aye, que recebeu a notícia dos movimentos das tropas, trouxe seus carros para guarda de Amarna. Quando o exército e carros entrou cara a cara nas fronteiras de Amarna, Aye aconselhou o rei a abdicar o trono a seu filho Tutankhaten, a fim de salvar a dinastia. Akhenaton concordou em abdicar e deixou Amarna com Pa-Nehesy, o sumo sacerdote de Aton, e alguns de seus seguidores vivem no exílio na área de Sarabit El-Khadem no sul do Sinai. 

De volta do exílio 

Ao ouvir sobre a morte de Horemheb, Akhenaton decidiu abandonar seu exílio no Sinai e voltar para o Egito, a fim de recuperar o seu trono. Desde a sua abdicação, ele estava vivendo no exílio no sul do Sinai, com alguns de seus seguidores, por cerca de vinte cinco anos, durante os reinados de Tutankhamon, Aye, e Horemheb. Aqui, Akhenaton viveu entre os midianitas () shasu beduínos com quem formou uma aliança. 
Em seus panos beduínos rudes, Akhenaton chegou na residência de Pa-Ramsés na cidade fronteiriça de Zarw, sua cidade natal, que se transformou em uma prisão para seus seguidores. Geral Pa-Ramsés, agora um velho, estava fazendo arranjos para sua coroação, e se preparando para se tornar o primeiro governante de uma nova dinastia Ramesside 19, quando foi informado da chegada de Akhenaton. Akhenaton desafiou direito Pa-Ramsés ao trono. O general, apanhado de surpresa, decidiu convocar uma reunião dos sábios do Egito para decidir entre eles. No encontro Akhenaton produzido o cetro do poder real, que ele levara consigo para o exílio, e realizou alguns rituais secretos, que só o rei tinha o conhecimento. Uma vez que viu o cetro da autoridade real e desempenho de Akhenaton dos rituais, os sábios caiu em adoração diante dele, e declarou ser ele o legítimo rei do Egito. Ramsés, no entanto, quem estava no controle do exército, se recusou a aceitar o veredicto do Comité de Sábios e decidiu criar seu governo pela força. 

O Êxodo 

Quando Akhenaton percebeu que sua vida foi ameaçada por Rames, ele escapou de Zarw com alguns de seus seguidores durante a noite, e voltou seus aliados shasu no Sinai. No entanto, ele se recusou a aceitar a derrota e decidiu continuar direito Ramses desafiantes 'para governar o Egito. Akhenaton reuniu seus aliados shasu no Sinai, e decidiu cruzar as fronteiras do Egito para Canaã, onde ele pudesse estabelecer seu governo em terras estrangeiras do império egípcio, a fim de preparar um exército para lhe permitir voltar e desafiar Ramsés. Quando Ramsés tem conhecimento do plano de Akhenaton, ele decidiu sair na frente de seu exército e esmagar o poder beduíno antes que eles atravessam as fronteiras de Canaã. Ramese, no entanto, morreu, neste momento, e foi seguido por seu filho Seti I. 
Seti deixou o corpo de seu pai para os sacerdotes para mumificar, e saiu para perseguir Akhenaton e seus seguidores shasu no norte do Sinai. Depois de falar sobre a rota entre a cidade fortificada de Zarw e Gaza e passando as estações de água fortificadas, empurrando ao longo da estrada no Negeb o rei espalha a shasu, que de vez em quando se reúnem em número suficiente para conhecê-lo. Um confronto militar teve lugar nos primeiros dias de Seti I, na rota entre Zarw e Gaza em Canaã. Do outro lado da fronteira egípcia chegou à cidade fortificada de Pe-Kanan, (Gaza), e parou o shasu entrar nela. Seti conheceu Akhenaton em um frente a frente de batalha em cima de uma montanha, e foi capaz de danificar o olho antes que ele o matou e deixou seu corpo insepulto no monte. Este confronto que resultou na morte de Akhenaton, que mais tarde tornou-se parte de uma nova versão do mito de Osíris, Hórus, onde um confronto ocorreu entre Hórus e Seth. Embora o mito diz que Horus ganhou a batalha, que foi criada (cujo nome tornou-se Satanás nos últimos tempos) que matou Horus.

 AKHENATON - MISTÉRIO E CORAGEM 

http://www.misteriosantigos.com/pagina12.htm A civilização de Amenófis III e o poder de Tebas

A civilização de Amenófis III e o poder de Tebas 

A originalidade da obra empreendida por Akhenaton não é contestável, seja qual for o limite que cada historiador queira colocar. No entanto, é preciso entender a realidade do meio em que ele surgiu para melhor avaliar sua caminhada.


Seu pai, o faraó Amenófis III, começa a reinar por volta de 1.408 a.C. Seu governo se estenderá sobre um Egito fabulosamente rico que conhece seu verdadeiro apogeu. O prestígio das Duas Terras, nome tradicional do Egito, é imenso, tanto pela qualidade da
civilização, quanto pelo poderio militar. A corte de Amenófis III apresenta um padrão de dignidade muito acima da média e, durante seu reinado, as artes, a arquitetura e as ciências recebem por parte do faraó uma atenção especial.
Sendo um enamorado da beleza, Amenófis III traz para a cultura egípcia elementos da cultura de outros povos com os quais mantém intercâmbio diplomático. Seu reinado porém, esbarra com dois problemas. O primeiro é a ascensão do poder militar dos hititas, que não recebem do faraó a devida atenção gerando, ao longo dos anos, grande inquietação interna e a desconfiança dos países aliados. O segundo é o grande poderio dos sacerdotes de Tebas, que não aceitam a forma centralizadora da administração adotada pelo faraó. Com efeito, Tebas é a cidade santa do deus Amon, O Oculto.
Funcionando como um verdadeiro Estado dentro do Estado, e com o Sumo Sacerdote com poderes de rei, são freqüentes as situações de confronto com o faraó, uma vez que criar e alijar reis era hábito dos sacerdotes de Amon. Neste meio, envolvido pela arte e a beleza, pelos temores da guerra e pelas tensões geradas pelo clero, nasce e cresce o futuro faraó Amenófis IV.
Descobrir Akhenaton é o mesmo que trazer à evidência um tipo de homem que busca ter uma visão do universo, colocando seus ideais acima das circunstâncias materiais e políticas. Sua vida apresenta aspectos de uma procura que podemos qualificar como iniciática. Ela abre nosso coração para uma luz maior e enriquece-nos com uma experiência de grande coragem de alguém que acreditou em seu sentir.

A Família e a Educação

A formação do jovem Amenófis IV teve forte e positiva participação de seus pais, o faraó Amenófis III e a rainha Tii, um casal que a história registra como sendo de rara inteligência e com princípios morais elevados. Seu pai, homem de pulso forte, soube se fazer cercar de sábios que o assessoravam no governo do Egito e demonstrou grande capacidade de conquistar pacificamente o apoio dos países vizinhos.
Demonstrou também coragem para romper com algumas tradições impostas ao faraó, dentre elas, a de se casar com uma mulher sem origem na realeza, mas sim de origem
modesta. O faraó idealizava a formação de uma religião universalista, privilegiando em seu reinado o culto de Aton, apesar da forte influência de
Tebas e seu deus Amon, o que certamente influenciou em muito a formação do pensamento
de Akhenaton. Mais tarde, ainda vivo e durante o reinado de seu filho, Amenófis III apoiou as mudanças profundas promovidas por ele.
Sua mãe, a plebéia Tii, foi personalidade marcante da história do Egito, participando ativamente das grandes decisões políticas sendo que, em certos casos, chegou mesmo a desencadeá-las.
Tii leva uma vida apaixonante e não descansa jamais, sendo vista constantemente nas
manifestações públicas ao lado do rei, fato este que era inusitado na história do Egito. Segundo muitos historiadores, foi ela quem preparou todo o caminho para a chegada do filho ao poder.
Além dos pais, dentre os sábios que conviviam com o faraó, houve um de especial importância para o jovem Amenófis. Trata-se do escriba e erudito Amenhotep filho de Hapu, considerado um dos maiores sábios do Egito e que foi o grande educador do futuro faraó. Amenhotep era um homem que defendia ser fundamental acionar as idéias e conhecimentos de cada um, sem o que de nada valia o conhecimento para o homem.
Esta posição foi fundamental na formação de Akhenaton, que possuía, desde jovem, grande
tendência mística, e que encontrou em em seu preceptor Amenhotep o conhecimento necessário para buscar o equilíbrio de suas ações.

Início do Reinado

Amenófis IV - que mais tarde ficou conhecido como Akhenaton - foi coroado faraó aos 15 anos de idade, assumindo o poder e co-regência com seu pai, numa época em que Egito vivia uma situação interna tranqüila e de grande prosperidade. Seu reinado durou 13 anos (1.370 à 1.357 a.C.). Amenófis III morreu no 12° ano do reinado de Akhenaton.

Durante os oito anos do período de co-regência, Amenófis III pode passar ao filho toda sua
experiência e também servir de apoio para as grandes mudanças promovidas por ele. É o pai
também quem controla a impetuosidade do filho, evitando um confronto com o clero de Tebas antes que tivessem sido lançadas as bases da "revolução amarniana". O jovem Amenófis IV acredita que um ideal justo sempre triunfa, mas aprende com o pai a ser paciente.
Sua mãe, que viveu durante os seis primeiros anos de seu reinado, foi responsável pela estruturação das tendências místicas de Amenófis IV, fazendo com que ele se aproximasse da parte do clero que estava ligada aos antigos cultos do Egito, onde Aton era o deus maior.
Assim, durante os quatro primeiros anos de seu reinado, Amenófis IV vai, lentamente, se afastando de Tebas e amadurecendo a idéia de um Deus universal. Ao final deste período, ele inicia a grande revolução. Proclama sua intenção de realizar a cerimônia religiosa de regeneração - denominada "festa-sed" na qual o faraó "se recarrega".
Para este ritual mágico, manda construir um templo para Aton e adota o nome de Akhenaton, o filho do sol. O significado destes atos é profundo dentro da cultura egípcia. O faraó indicava claramente que Aton passava à condição de deus do Egito, rompendo com os sacerdotes de Tebas.
No templo de Aton, pela primeira vez, o deus não tinha rosto, sendo representado pelo Disco Solar.
Aton era o sol que iluminava a vida de todos. Imediatamente passa a ser conhecido como o faraó herético.
Não se pode entender a obra de Akhenaton sem se conhecer a figura de sua esposa, Nefertiti, a bela que chegou, bem como a figura de seus pais e Amenhotep.
Segundo os historiadores, era uma mulher de rara beleza.

Nefertiti, egípcia, pertencia a uma grande família nobre.
Não seria ela, no entanto, quem o futuro faraó deveria desposar, o que novamente indica a independência da família real em relação aos usos e costumes impostos à corte.
O casamento, porém, se deu quando Amenófis IV tinha, aproximadamente 12 anos, sendo que Nefertiti era ainda mais jovem que ele. Akhenaton e Nefertiti acabaram por transformar seu casamento estatal em um casamento de amor.
São muitas as cenas de arte que retratam o relacionamento carinhoso entre eles, o que, por si só, mostra a intensidade deste relacionamento, uma vez que não era comum na arte
egípcia a expressão destes sentimentos. Com efeito, Akhenaton e Nefertiti são, até hoje, citados como exemplo de um dos casais românticos mais famosos da história.
Do mesmo modo de Tii, Nefertiti era muito mais que uma esposa e mãe, embora preenchesse perfeitamente estas funções. Foi também uma das cabeças pensantes da civilização amarniana, como ficou conhecida a obra de Akhenaton. Sob sua doçura e fascínio, ocultava uma vontade de impiedoso rigor.


Grã-sacerdotiza do culto de Aton, Nefertiti dirigia o clero feminino e nesta função conquistou o carinho e a admiração do povo.
Soube canalizar este sentimento popular de modo a fortalecer o carisma de seu marido diante do Egito. Viveu com o mesmo ardor de Akhenaton a nova espiritualidade.
O casal teve seis filhas e nenhum filho. Quando do declínio da saúde de Akhenaton, foi Nefertiti quem preparou sua sucessão.
Segundo os historiadores, foi ela quem preparou o jovem Tut-ankh-Aton para ocupar o trono, que mais tarde reinou sob o nome de Tut-ankh-Amon. No espírito de Nefertiti, este era o único meio de preservar a continuidade monárquica e de garantir um necessário retorno à ordem.

Akhenaton - o Edificador

A idéia do deus único e universal foi se tornando cada vez mais consistente para Akhenaton. Com sabedoria e coragem, ele foi dando passos firmes para a construção de seu propósito. Era preciso materializar a idéia. Durante o quarto ano de seu reinado, Akhenaton definiu o local onde seria erguida a nova cidade. Sua escolha não se deu ao acaso, mas dentro de todo um simbolismo coerente com a nova doutrina.
A cidade se chamaria Tell el Amarna que significa O Horizonte de Aton, portanto, A Cidade do Sol.
Estava localizada perto do Nilo, portanto, perto da linha da vida do Egito e a meio caminho entre Mênfis e Tebas, ou seja, simbolicamente seria o ponto de equilíbrio entre o mundo material e o mundo espiritual.
Ao todo foram quatro anos para a construção de Amarna com 8 km de comprimento e largura
máxima de 1,5 km, com ruas grandes e largas, paralelas ao Nilo. Apenas no sexto ano é que ele anuncia oficialmente a fundação da cidade de Amarna.
A proclamação recebeu integral apoio do clero de Heliópolis. Amarna passava a ser a nova cidade teológica onde seria adorado um deus solar, único. Com a construção de Amarna, num local em que o homem jamais havia trabalhado, Akhenaton prova que não é um místico sonhador, mas alguém compromissado em construir seus ideais, disposto a fazer uma nova era de consciência de Deus.
Amarna não é uma cidade comum, mas o símbolo de uma nova forma de civilização, onde as
relações humanas, desde a religião até a economia, achavam-se modificadas. Foi uma maneira de dar uma forma inteligível de suas idéias para os homens. Foi o teatro de uma tentativa fantástica de implantação do monoteísmo.
Ali havia gente de todas as nações que se transformaram de súditos em discípulos de Akhenaton.
Viver em Amarna, era tentar desafiar o desconhecido e mergulhar na aventura do novo

conhecimento, acreditando que o sol da justiça e do amor jamais se deitaria.

A vida em Amarna


Capital do Egito, cidade protegida, Amarna é antes de tudo uma cidade mística em virtude da própria personalidade do rei. Viver em Amarna era compartilhar da vida do casal real, suas alegrias e suas dores. Era descobrir, no rei, um mestre espiritual que ensinava as
leis da evolução interior.


Akhenaton e Nefertiti constantemente passeavam pela cidade, a bordo da carruagem do sol, buscando um contato com seus súditos. Diariamente, cabia a Akhenaton comandar a cerimônia de homenagem ao nascer do sol e a Nefertiti, a cerimônia do pôr do sol.
Para administrar a cidade, tendo como conselheiros políticos o pai, a mãe e um tio de nome AY, Akhenaton herdou grande parte dos auxiliares de seu pai, que adotaram com entusiasmo a nova orientação religiosa do faraó. Akhenaton cuidou de ensinar a nova espiritualidade a todos seus auxiliares diretos.
Esta espiritualidade se baseia numa religião interior e na certeza de que existe um mesmo Deus para todos os homens.
Akhenaton favoreceu a ascensão social de numerosos estrangeiros abrindo ainda mais o Egito para a influência de culturas de outros povos. Assim, rapidamente o perfil social do Egito sofreu uma alteração de grande vulto. É fácil imaginar que muitos foram aqueles que ficaram descontentes com a nova situação, mas a grandiosidade do faraó fazia com que se mantivesse um equilíbrio na sociedade, e de sua sabedoria emanava uma energia que influenciava positivamente todos os aspectos da vida no Egito.
A arte egípcia foi particularmente influenciada durante o reinado de Akhenaton, sendo
historicamente classificada como a Arte Amarniana. De forma extremamente inovadora para a época, ela registra a visão que o faraó tinha do homem e do universo. Pela primeira vez surgem obras mostrando a vida familiar, o que vem ao encontro da concepção de Akhenaton de que o fluxo divino passa obrigatoriamente pelo organismo familiar. Em algumas obras, aparecem também membros da família real nus, como indicação da necessidade da transparência interior. Este tema da transparência do ser está presente na mística universal.
Akhenaton permitiu que se registrasse em obras de arte, cenas da intimidade da vida da família real, o que jamais fora feito antes. Também são muito utilizados temas onde aparece a natureza, fauna e flora, considerados a grande dádiva da vida vinda de Aton. Outro aspecto relevante é a representação do faraó com aspectos nitidamente femininos, o que indicava ser ele, como filho do sol, origem da vida para o Egito, e portanto, ao mesmo tempo pai e mãe de seus súditos. A história classifica estas representações como as do Akhenaton teológico.
Na poesia, a contribuição da civilização de Akhenaton é muito rica, especialmente nos escritos religiosos em homenagem ao deus Aton. É através dela que o faraó mostra a unicidade de Deus - o Princípio Solar - que criou o Universo, deu origem à vida em todas as suas manifestações. O Princípio Solar rege a harmonia do mundo, tudo cria e permanece na unidade.


Akhenaton e a Religião da Luz

Devemos observar que mesmo durante o período em que Tebas exerce a maior influência na religião egípcia, Mênfis e Heliópolis continuavam a alimentar a espiritualidade do reino.
Os sacerdotes destas cidades, sem o poder material de Tebas, consagravam-se ao estudo das tradições sagradas que cada faraó devia conhecer. Foi com estes sacerdotes que Akhenaton foi buscar as bases na nova ordem religiosa. Apesar dos séculos que nos separam da aventura espiritual de Akhenaton, podemos perceber seu ideal e sua razão de ser e nos aproximarmos, passo a passo, de Aton, cetro misterioso da fé do faraó.
Para ele (Akhenaton), Aton é um princípio divino invisível, intangível e onipresente, porque nada pode existir sem ele. Aton tem a possibilidade de revelar o que está oculto, sendo o núcleo da força criadora que se manifesta sob inúmeras formas, iluminando ao mesmo tempo o mundo dos vivos e dos mortos e, portanto, iluminando o espírito humano sendo, por isso, a sua representação o disco solar, sem rosto, mas que a todos ilumina.
Aton é também o faráo do amor, que faz com que os seres vivos coexistam sem se destruir e

procurem viver em harmonia.
Para Akhenaton, é essencial preservar uma "circulação de energia" entre a alma e o mundo dos vivos. Na realidade, não existe nenhuma ruptura entre o aparente e o oculto. Na religião do Egito não existe a morte, apenas uma série de transformações cujas leis são eternas. Em Amarna, os templos passam a ser visitados integralmente por todos, não mais existindo salas secretas em cujo interior somente os sacerdotes e o faraó podem entrar.
Para Akhenaton todos os homens são iguais diante de Aton. A experiência espiritual de Akhenaton e os textos da época amarniana deslumbraram mais de uma vez os sábios cristãos. Numa certa medida, pode-se dizer que ele é uma prefiguração do cristianismo que viria, com uma visão profunda da unicidade divina, traduzida pelo monoteísmo. É espantosa a semelhança existente entre o Hino a Aton e os textos do Livro dos Salmos da Bíblia, em especial o Salmo 104.
Por outro lado, é fácil encontrar semelhanças entre a vida de Akhenaton e a vida de Moisés. Se um destrói o bezerro de ouro, o outro luta contra a multiplicidade de deuses egípcios, ambos lutando pelo ideal do monoteísmo e se colocando como mestres dos ensinamentos divinos para todo um povo. A religião de Amarna continha uma magia maravilhosa, uma magia que aproxima o homem de sua fonte divina.

O fim de Akhenaton




A implantação da nova ordem religiosa tornou-se quase que a única tarefa merecedora da atenção do faraó. Com isso não combateu os movimentos internos daqueles que se sentiram prejudicados pela nova ordem e também pelo crescimento bélico dos hititas. Por volta do 12°
ano de seu reinado, com a morte de Amenófis III, estes movimentos internos tomavam vulto e as hostilidades externas se agravavam.
Akhenaton, porém, fiel a seus princípios religiosos, se recusava a tomar atitudes de guerra, acreditando poder conquistar seus inimigos com o poder do amor de Aton.
Nesta altura, a saúde de Akhenaton dá sinais de fraqueza, e ele resolve iniciar um novo faraó. Em Amarna, Nefertiti iniciara a preparação de Tut-ankh-Aton, segundo genro do faraó, para a linha de sucessão, uma vez que o casal não possuía filho homem. Akhenaton no entanto, escolhe Semenkhkare, iniciando com ele uma co-regência do trono.
Embora não existam registros claros sobre este período, tudo indica que durante a co-regência, que durou 5 ou 6 anos, morre Nefertiti, e sua perda é um golpe demasiado forte para Akhenaton, que logo depois desaparece da história pois provavelmente foi expulso do trono por um golpe militar feitos por seus inimigos, os sacerdotes de Amon, ele então foge para a palestina com alguns de seus sacerdotes e súditos, provavelmente ele foi a figura por trás do mítico Moisés. Seu reinado, no total, durou cerca de 19 anos.
Semenkhkare também faleceu praticamente na mesma época, deixando vazio o trono do Egito e permitindo aos sacerdotes de Tebas do culto de Amon a indicação de Tut-ankh-Aton, que imediatamente mudou seu nome para Tut-ankh-Amon, indicando que Amon voltava a ser o deus supremo do Egito.
Por ser muito jovem e não possuir a estrutura de seus antecessores, Tut-ankh-Amon permitiu a volta da influência de Tebas que, por sua vez, não mediu esforços para destruir todo o legado de Akhenaton, incluindo-se a cidade de Amarna. Tut-ankh-Amon que foi educado na religião de Aton deve ter entrado em conflito em aceitar as imposições dos sacerdotes de Amon e foi assassinado por estes com a idade de 19 anos. Ele foi a última peça que faltava para eliminar da história egípcia a “heresia” de Akhenaton e Nefertiti.

Akhenaton - Um Marco na História da Humanidade

O fim dramático da aventura amarniana é devido a circunstâncias políticas e históricas que não diminuem em nada o valor do ensinamento de Akhenaton. Se é inegável que o fundador da cidade do sol, a cidade da energia criadora, entrou em conflito com os homens que ele queria unir pelo amor de Deus, não é menos verdade que ele abriu uma nova concepção sobre esta luz que a cada instante se oferece aos homens de boa vontade.
Sua experiência foi uma tentativa sincera de perceber a Eterna Sabedoria e de torná-la perceptível a todos. A coragem que demonstrou na luta constante por seus ideais, sem dúvida, fez dele um marco eterno na história da humanidade.
A história de Akhenaton mostra, mais uma vez, que um homem melhor faz um meio melhor, e que a força de sua convicção em seu objetivo altera a vida do meio, seja ele uma rua, um bairro, uma cidade, um país.... o Universo. Para isto, há de se ter Coragem!

Amenhotep III

Vindo da 18 ª dinastia e sendo o nono faraó para governar durante este período, Amenhotep
III elevados Egito. Além disso, ele seria pai de um filho que abalaria fundação do Egito e que
o filho viria a ser conhecido como Akhenaton. Durante o reinado de Amenhotep III, que viria
a ser conhecido como um período de paz e abundância, muitas estruturas foram construídas

que estão ainda hoje. Amenhotep III era conhecido como o faraó que embelezava o Egito.

Família

Nascer da Rainha Mutemwiya e do faraó Tutmés IV, Amenhotep III foi dado o trono com a
idade de 12 e manteve-se faraó até a idade legítimo de 50. Como a maioria dos faraós, ele
também tinha muitas mulheres. Acreditava-se que ele teve 317 esposas - todas as que foram
bem atendidos e foram adquiridos através de dotes. Sua esposa favorita, a rainha Tiy, foi
casada com ele na tenra idade de 11 ou 12. Para honrá-la, ele construiu um templo dedicado a ela. Ela foi a primeira mulher a ser dadas atos oficiais e foi acreditado para ser muito
inteligente. Juntos, eles tiveram um filho chamado Amenhotep IV, que mais tarde mudou seu

reinado.
Amenhotep III governou numa época em que o Egito não estava em grande perigo. Os
tempos eram próspera devido ao comércio e quando a produção ea vida ao longo do rio Nilo
tinha florescido. Ao contrário de outros faraós, conquistando outros reinos não foi um
problema. Construção foi o foco principal desde os tempos eram abundantes e nenhum perigo real grande era evidente. Ampliou muitas cidades e construiu muitos templos. Ele construiu o templo Malkata localizado nas margens ocidentais de Tebas e na parte sul de Medinet Habu. Este site foi dedicado à habitação e câmaras também oficiais. Sua estrutura maior e mais famoso era o templo de Amon (hoje Luxor), que é conhecida por suas ruínas e continua a ser uma atração turística popular hoje.
Gerenciando para manter o trono por um longo de 39 anos, Amenhotep III morreu de uma
doença desconhecida. Ele morreu com a idade de 50. Ele deixou para trás sua esposa favorita, que viria a mover-se com seu filho Akhenaten, bem como muitas outras mulheres. Apesar de não ser conhecido por guerra ou conquista, ele deixou para trás grandes monumentos e templos e estátuas grandes que começam a falar de uma mudança iminente - o Período de Amarna.

Túmulo

Jollis e Devilliers (engenheiros franceses da expedição de Napoleão Bonaparte) descoberto
túmulo de Amenhotep III, em agosto de 1799. Eles mapearam e registraram suas descobertas.
Hoje, o túmulo é conhecida como KV22 e está localizado no Vale dos Reis. O túmulo foi
encontrado vazio e as paredes mal destruído devido ao sal e à exposição aos elementos.
Restauração está em andamento na esperança de que o túmulo pode ser devolvidos a uma
condição adequada. Acredita-se que a múmia do faraó Amenhotep III foi encontrada no
cache real. O cache real foi localizado em um túmulo próximo corte Deir El Bahri, templo de
Hatshepsut, e estava escondido por padres. Essa tumba foi descoberta em 1881 pelos irmãos Abd-er-Rassul.

Moisés e Akhenaton

O nome egípcio de Moisés era Mos, que significa “filho das águas”.
Segundo a Bíblia ele teria sido depositado, ainda recém nascido, num cesto de vime e lançado nas águas do Rio Nilo por sua mãe, a levita Iochabel, esposa do sacerdote Anrim. Isso ela fez para salvá-lo do decreto do faraó Amenhoteph III, o qual mandara as parteiras hebraicas afogar nas águas do Nilo todos os recém nascidos entre o povo de Israel, pois segundo uma antiga profecia, naqueles dias teria nascido no Egito o libertador dos hebreus, povo que lá vivia como escravo há mais de quatrocentos anos.
Mas o Grande Arquiteto do Universo o havia escolhido para uma missão e o salvou, conduzindo o cesto de vime onde ele foi posto até as mãos da irmã do faraó, que o criou como seu filho[1]
Uma antiga tradição, coletada pelo historiador Apião, sugere que ele se tornou príncipe do Egito com o nome de Osarseph, o qual teria sido vizir(governador) na terra de Gózen e aos vinte anos iniciado no alto cargo de sacerdote em Heliópolis. É com esse nome que ele aparece nos documentos, estelas e inscrições que os egípcios gravavam para registrar
os acontecimentos importantes da história da sua nação, o que explica porque nunca foi encontrada nenhuma referência ao nome Moisés nos registros da história egípcia[2]
Assim, Moisés, como príncipe do Egito, tornou-se não só um nome poderoso em assuntos da religião, como também importante politicamente, já que exercia o cargo de governador de uma das mais importantes províncias do Egito.
Esses fatos ocorreram nos dias do faraó Amenhotep IV, conhecido na História egípcia como Akhenaton, o Reformador. Moisés, ou Osarseph, segundo se infere das especulações de Apião, teria se unido ao faraó Akhenaton na sua cruzada para implantar no país a religião de um único deus, o Deus Amon-Rá, divindade adorada em Tebas, sua capital. Esse deus, com o nome mudado para Aton, deveria ser a única divindade de todo o Egito e todos os demais deuses lhe deveriam ser sujeitos, da mesma forma que todos os egípcios deviam obedecer ao grande faraó.(3)
Depois de ter adotado Aton como único e verdadeiro Deus a ser adorado nas Duas Terras do Egito, e proibido qualquer menção ou adoração a outros deuses em todo o país, o faraó Akhenaton retirou dos Irmãos de Heliópolis todos os seus privilégios, confiscando-lhes terras e bens, declarando fora da lei seus ritos e cerimônias; e colocando-os sobre a sujeição do Sumo Sacerdote Moisés. Com isso ele atraiu o ódio dos membros daquela poderosa Confraria e dos demais sacerdotes do Egito, os quais fundamentavam seu poder na religião e obtinham suas riquezas através das doações feitas aos templos, e pelo comércio que eles

praticavam com esses bens.
Os sacerdotes não concordaram com esse estado de coisas, nem aceitaram Moisés como seu superior e logo conclamaram aos principais chefes de estado egípcios para que reunissem os seus exércitos e fizessem guerra contra aquele faraó, a quem chamavam de herege e cultor de deuses estrangeiros. Pois o deus de Moisés, segundo os sacerdotes de Heliópolis e outros santuários, era o deus de Israel. E Aton, o deus que ele adotara, era o mesmo deus dos hebreus.[4]
Esse deus era chamado de Adonai pelos hebreus, por isso se acredita que seja o mesmo Aton, adorado por Akhenaton. Akhenaton, para torná-lo palatável para os egípcios, fundiu a idéia metafísica que os hebreus tinham de Deus, com os atributos de Amon-Rá, o deus de Tebas, que era representado pelo disco solar. Assim, nasceu a idéia do Deus único, que
os hebreus, mais tarde, iriam disseminar pelo mundo e mudar completamente a história das religiões.
Os hebreus, como mandava sua tradição, não podiam escrever nem pronunciar seu nome, por isso se referiam a ele como “O inominado” e grafavam o seu nome com quatro letras, IHVH, que os gregos, mais tarde, chamaram de Tetragrammaton.[5]
Todavia, os sacerdotes egípcios não aceitaram pacificamente essa mudança radical nas suas tradições religiosas e insuflaram o povo dizendo que se o Deus de Israel reinasse sobre os corações e mentes do povo do Egito, logo os israelitas estariam dominando o país, pois eram grandes em número e muito fortes em corpo e espírito.
Na verdade, havia muitas pessoas influentes no Egito, que eram oriundas do povo de Israel. Isso mostra que os hebreus nem sempre foram escravos no Egito. Nessa época, provavelmente, eles viviam em liberdade no Vale do Nilo e eram muito respeitados como comerciantes, artesãos e pequenos proprietários agrícolas, como sugere as especulações de Apião.
Essas condições favoráveis teriam começado com a ascensão de José, o filho de Jacó, o qual teria se tornado um poderoso Vizir, cujo nome egípcio seria Yuya( sua tumba foi encontrada no Vale dos Reis em 1905).
Assim, durante muito tempo, os hebreus viveram em paz e se tornaram muito prósperos no Egito, tanto que a própria Bíblia se refere a esse fato dizendo: “Entretanto, se levantou no Egito um novo rei que não conhecia (aceitava) José e que disse ao seu povo “Vós bem vedes que os filhos de Israel estão muito numerosos e mais fortes do que nós. Oprimamo-lo, pois, com manha, para não suceda que, sobrevindo alguma guerra, ele se una com os nossos inimigos, e vencendo-nos, saiam depois do Egito.” [6]
Mostra-se, com isso que os egípcios temiam os hebreus e não os tinham como escravos, mas que a opressão sobre eles começou quando as próprias condições políticas do país sofreram uma violenta modificação.
Essa modificação, como se infere pelas informações de Maneto e Apião, devem ter se iniciado com a revolução religiosa de Akhenaton.[7]
Com sua revolta, os sacerdotes colocaram uma grande parte do País em guerra contra Akehnaton e Moisés. E naqueles dias houve uma grande conflito por todo o Egito, que durou mais de dez anos; muitos foram os que morreram porque o povo se dividiu; e em todas as cidades, as pessoas lutavam com fúria e coragem pelos deuses que adotaram, pois os
homens combatem com mais ardor pelas coisas em que acreditam do que por suas famílias ou bens. [8]
Perdida a guerra, porque foram muitos os que se levantaram contra aquele faraó e seu vizir Moisés (ou Osarshep), logo foi morto aquele Akhenaton e no seu lugar subiu ao trono seu filho Tut-Ank-Amon, um menino de dez anos de idade, cujo governo procurou restabelecer a paz
no país revivendo a religião nacional de muitos deuses. Mas ele não conseguiu fazer as pazes com os Irmãos de Heliópolis, e estes, (porque Tut-Ank-Amon se recusou a perseguir e prender os seguidores de Aton e condenar Moisés á morte), envenenaram o jovem rei no nono ano do seu reinado.[9]
Este Tutankamon é aquele que foi sepultado em uma suntuosa tumba no Vale dos Reis, com um enorme tesouro e todos os seus serviçais.
E depois disso aconteceu que os egípcios fizeram rei a um general de nome Horemheb, que logo começou a perseguir e massacrar os seguidores da antiga religião, devolvendo os privilégios da Irmandade de Heliópolis, a qual se fez novamente muito poderosa e voltou-se contra Moisés e os hebreus, seus patrícios. Este, para salvar a vida, fugiu para o deserto do Sinai, onde se refugiou no oásis de Madian, que fica nos pés do Monte Horeb, na península do Sinai. Data, portanto, dessa época, a opressão que os egípcios começaram a submeter os israelitas.[10]

(continua)
[1] Êxodo, 2:,3,5.
[2] O nome Moisés deriva da raiz egípcia mos, que quer dizer “filho”. Seu nascimento, origem e adoção por parte de Bithia, irmã do faraó, (Amemhotep III) é contada em Êxodo 2: 1a 8. Já a identificação de Moisés com o vizir Osarseph foi proposta por Apião, escritor egípcio do
primeiro século antes de Cristo. Sua especulação, entretanto, não tem bases históricas e foi veemente combatida por Flávio Josefo em sua obra “Contra Apião”, como já registramos neste trabalho As demais conclusões aqui expostas são um resultado das nossas especulações.
(3) Ahemed Osmam- Moisés e Akhenaton- Madras, 2008
[4] Esse é nome grego dado as quatro iniciais do nome de Deus, segundo os hebreus, que o soletravam como Iavé (Jeováh). Porém, Jeová é apenas um dos nomes de Deus, pois o seu Verdadeiro Nome era um segredo só revelado a muito poucos escolhidos. [5].Êxodo “1: 8,9,10.
[6] Essa também é a tese de Sigmund Freud em seu trabalho sobre Moisés
e Akhenaton, onde o famoso criador da psicanálise identifica o legislador
hebreu com o próprio faraó herege.
[7] Essa guerra foi retratada no romance de Mika Waltari, “Sinouê, o Egípcio”, mas também é um dos mais bem documentados episódios da história daquele povo, graças aos documentos recuperados nas escavações feitas em El Amarna.
[8] O jovem rei Tut-Ank-Amon foi assassinado aos dezoito anos de idade e sua história era pouco conhecida até sua tumba ser encontrada por Howard Carter em 1928. Os tesouros que ela continha constituem o maior achado arqueológico de todos os tempos e encontram-se hoje no museu do Cairo.
[9]A Bíblia diz que os hebreus viveram como cativos durante quatrocentos anos no Egito. Não sugere uma data, entretanto, para sua imigração da Palestina para o Vale do Nilo. Pelas especulações de Apião e Maneto, entretanto, essa imigração deve ter ocorrido entre 1780 e 1580 a C, época que o Egito foi dominado pelos hicsos, povo semita oriundo da Palestina. Maneto, segundo informações de Flávio Josefo, apresenta os hicsos como um povo que imigrou pra o Vale do Nilo e conquistou o Egito sem luta, mas por ter religião e cultura diferente dos egipcios, acabou destruindo cidades e "os templos dos deuses", provocando grande matança e devastação no país. Por cerca de duzentos anos governaram o Egito com seus “reis pastores”. Sua capital era no Delta do Nilo, sediada na cidade de Aváris. Por volta do,1580 a C. os egípcios, comandados pelo faraó Amósis, atacaram Avaris e expulsaram os hicsos de volta para a Palestina.
Maneto informa que eles se fixaram na Judéiaa e construíram Jerusalém. (Flávio Josefo, Contra Apião, Vol. I, pág. 73-105 § 14-6; pág. 223-232 § 25-6). Máneto também informa que um grande grupo de 80 mil leprosos e doentes recebeu permissão para se estabelecer em Aváris, depois da partida dos Hicsos. Esses mais tarde se rebelaram, chamaram de volta os "rei pastores", que destruíram cidades e aldeias, e cometeram sacrilégio contra os deuses egípcios. Por fim, foram derrotados e expulsos do país. Esses últimos, segundo infere Apião seriam os hebreus. (Contra Apião, Livro I, Cap. 26, 28)

(10) Ahemed Osmam, idem op citado


6 comentários:

Existem muitas brechas nessa história,como por exemplo o looongo espaço de tempo que se dá entre os reinados de Akhenaton e de Seti I,o qual vc diz que provavelmente o mandou assassinar,outra mais,Akhenaton não poderia subir ao trono pq não queriam que se formasse uma nova dinastia de reis não amunites no Egito,ok...mas então o irmão da rainha Ty é o sacerdote de Rá??Se ele é irmão da rainha Ty ele tbm é em parte israelita não?Outra,as origens de Nefertiti até hoje são uma incógnita,não se pode afirmar que ela era da realeza,estudiosos até suspeitam que ela estava longe disso,só conquistando um título real depois que se casou com Akhenaton.Continua...

" De acordo com os fragmentos que restaram da Aegyptiaca de Manetho, Osarsiph-Moisés, o líder eleito dos “leprosos” e “impuros” criou novas leis e costumes contrários ao Egito. Não resta dúvida que esses mandamentos imitam a maneira pela qual Aquenaton proibia a adoração a qualquer deus que não fosse a deidade simbolizada pelo disco solar Aton, ou Aten e, como Manetho declara, ativamente “destruía as imagens dos deuses”." http://a-vontade.blogspot.com.br/2013/10/egito-exodo-e-deus-parte-i-b-o-profeta.html?m=1

"Aton, que não tinha imagem ou forma". Como não? Aton era representado por um disco-solar e era simbolizado pelo sol. Tinha imagem e forma sim.

Alem de que o livro de genesis, traz os astros sendo criados e nao sendo Deus.. historia furada.

Este comentário foi removido pelo autor.

Como que o monoteísmo foi criado por Akhenaton/Moisés se muito antes deles vieram José, Jacó, Isaque e Abrãao (sendo esse último a figura que une as três maiores religiões monoteístas e a quem é creditada a primeira aliança com Deus)?
Cara, até suas fontes/referências discordam da tua ideia de que eles eram a mesma pessoa.
A Bíblia é uma obra literária e deixa a desejar quando o assunto é confiabilidade histórica. Mas se tu aceita o que é narrado nela, tem que aceitar também a ordem cronológica.

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites